Destilados

Que venga El Jimador!!!

Por  | 

Elvis Presley tascou muitas beijocas em Ursula Andress no filme “O Seresteiro de Acapulco”, de 1963. Cantando e bebericando o drinque Margarita, homônimo da estonteantemente linda personagem de Ursula, o salva-vidas Mike (Elvis) oferece a bebida para a moça, e para todas as que passam por sua frente. Era o garoto propaganda do México dos anos 1960 e de sua bebida nacional, a Tequila.

Com um marketing desses, como não cair, no momento seguinte ao pós-guerra, nas graças dos jovens universitários americanos? Não deu outra! Nos anos de 1970, a tequila foi, disparadamente, a bebida mais consumida entre todos os destilados brancos.

Chegou com fôlego aos anos 1980, misturada à febre de frozens, até que uma “fofoca cabeluda” se espalhou: cada planta de agave tequilana levaria entre nove e dez anos para se refazer e, por isso, seria mais prudente dar um tempo no consumo da bebida.

Não vou entrar nesse mérito da questão hoje, pois é assunto para mais de metro e merece uma coluna específica. Fico devendo, prometo em breve. Pode me cobrar!

Por enquanto, afirmo que a freada aconteceu em boa hora e fez o mercado das tequilas amadurecer. Com isso, muitas, entre elas várias marcas barbante, ainda bem!, desapareceram.

Por outro lado, ótimas apareceram no cenário nacional, trazendo concorrência às (ainda que muito boas, onipresentes) marcas Sauza, que muitos ainda insistem em dizer Souza, e José Cuervo.
É o caso da tradicional Tequila El Jimador, produzida desde 1840, que chega ao Brasil com visual descolado, empreendedor, urbano e sem nenhum traço daqueles velhos chapelões e trajes típicos de mariachis.

O produto, claro, não poderia ser melhor: feito com 100% de agave tequila, aquela cujos talos são azulados e bem largos, e das melhores entre as mais de 300 espécimes com as quais se consegue fazer destilado.

A gerente de marketing da El Jimador, Fernanda Paolone, confirma: “o objetivo é trazer uma nova compreensão da tequila para os consumidores, fugindo daqueles tradicionais estereótipos mexicanos. Buscamos uma imagem mais premium do produto, que valorize seus diferenciais, como o excelente custo-benefício, uma vez que se trata de uma qualidade 100% agave, com preço de mercado muito competitivo”.

Para Paolone, as pessoas se acostumaram com a ideia de que tequila precisa ser consumida apenas com sal e limão. Mas há outras maneiras de se beber, principalmente em forma de drinks. “Por isto, com a chegada da nova garrafa, vamos sempre reforçar essas diferentes maneiras de consumo”, conclui.

Para “nosotros”, senhora Paolone, custo x qualidade sempre foi condição sine qua non. E frutas por estas papilas só passam com álcool.

Seja bem vinda tequila El Jimador. Teremos muito que conversar de coqueteleira para coqueteleira.

Tequila El Jimador

Tequila El Jimador

 

Plantação de Agave

Plantação de Agave

Deixe seu Comentário!

comentários

Deise Novakoski

Atualmente, Deise Novakoski exerce a função de sommelière e bartender, trabalha como consultora na Academia da Cachaça e no Torna Pub e assina a coluna “Você tem Sede de Quê?”, publicada em seu site.