Vinhos

Vivendo de vinho há 25 anos

Por  | 

Entre os 16 e 17 anos, não gostava de alguns momentos das reuniões familiares. Nestas ocasiões, era infalível que viesse a pergunta: “vai estudar o quê?”. Com disfarçada tranquilidade, respondia: “bebidas”. Instantaneamente, todos voltavam seus olhares piedosos para minha mãe, que fingia não estar entendendo e mudava o rumo da conversa. Até este momento, para os padrões familiares, eu era considerada perdida. Subi de categoria quando me inscrevi no curso de sommelier: aí, fui taxada de maluca mesmo.  Estudar vinho? Para quê? Quer morrer de fome? Passar o resto da sua vida à custa da família?

Tinha ainda os malvados, que diziam que tudo não passava de preguiça de estudar. Imagina! Hoje em dia, quando me perguntam “como vai?”, costumo responder, com sinceridade e muito orgulho: “que mal vai a quem vive de vinho?”.

Não os julgo. Quem poderia imaginar que aquela escola montada em cima de um restaurante com mesas e cadeiras doadas, um professor para todas as disciplinas e material didático impresso no mimeógrafo poderia dar futuro a alguém?

O conteúdo das apostilas era um caso à parte. Até hoje, quem teve o privilégio de integrar essa turma se lembra das traduções amalucadas do nosso mestre. Vindo da Itália e diplomado pela Associazione Italiana Sommeliers (AIS), Danio Braga montou a sua associação com tudo o que aprendera na vida e na AIS. Mas, naquele tempo, o português ainda não estava dominado. E nós tivemos que aprender, por exemplo, que vinho mórbido queria dizer macio e não morto, como supúnhamos…

As turmas eram divididas em aspirantes a profissionais, profissionais e amadores. Alguns anos depois, Danio formou um corpo didático oriundo das primeiras turmas. Com profissionais e professores, considerou que estávamos prontos para abrirmos nossas portas para o mundo. Em 1992, conseguiu um feito inédito: trouxe o concurso mundial da categoria para o Rio, reunindo, pela primeira vez fora da Europa, os melhores profissionais do serviço de vinhos do planeta. O que ninguém soube é que, na véspera da votação para escolher qual país sediaria o evento, alguns brasileiros passaram a noite deixando cestas com souvenires nacionais nas portas de alguns quartos.

De lá pra cá, muita coisa mudou. Começando pelos livros especializados em vinho: antes, nem constávamos neles; agora, em todos há um capítulo dedicado ao Brasil.

A Associação Brasileira de Sommeliers (ABS) faz parte da Association dela Sommellerie Internationale e tem seções em São Paulo, Bahia, Brasília, Belo Horizonte e Campinas, além do Rio de Janeiro – com uma no Flamengo e outra na Barra.

Só na cidade, a ABS já formou 20 mil pessoas em seus cursos básicos para enófilos.

Hoje à noite, todos nós que fazemos parte destes números e histórias estaremos no Hotel Copacabana Palace para comemorar os 25 anos de fundação da minha escola. Mais velhos e mais gordinhos, é claro.

Brindaremos por tudo o que já se fez e por tudo o que ainda precisamos fazer. Nossa missão de divulgar o vinho não está cumprida e nunca estará. Mas de uma coisa já podemos nos orgulhar: não há na cidade quem não olhe para uma garrafa de vinho com mais atenção, uma certa curiosidade e, digamos assim, algum carinho.

Deixe seu Comentário!

comentários

Deise Novakoski

Atualmente, Deise Novakoski exerce a função de sommelière e bartender, trabalha como consultora na Academia da Cachaça e no Torna Pub e assina a coluna “Você tem Sede de Quê?”, publicada em seu site.